terça-feira, 16 de julho de 2013

Pergunta 22: Quais são as provas materiais de que a Bíblia é verdadeira?

A Bíblia fala que o 'quanto ao justo, continuará a viver pela sua fé' (Habacuque 2:4) A fé não é mera credulidade, algo como "acredito porque acredito". Antes, a Bíblia deixa claro que a fé baseia-se em provas. Hebreus 11:1,2 afirma: "A fé é a expectativa certa (Lit.: “substância”. Gr.: hy·pó·sta·sis) de coisas esperadas, a demonstração evidente (Ou “evidência convincente”. Gr.: é·leg·khos; lat.:ar·gu·mén·tum.) de realidades, embora não observadas." Sendo uma "substância", trata-se de algo concreto, como ouvir o barulho de um avião, mas não vê-lo; sendo "evidência convincente", trata-se de algo inquestionável, como sentir o vento, mas não ver o ar. 
Sendo assim, certamente é correto analisar as provas concretas da veracidade bíblica. Correto e lógico. Sim, pois, se a Bíblia "é a verdade" (João 17:17) ela é totalmente comprovável, assim como uma ocorrência sempre deixa provas, ou indícios. 
 A veracidade da Bíblia tem sido atacada de muitos lados, mas nenhum desses esforços de modo algum tem minado ou enfraquecido a posição dela.
Sir Isaac Newton disse certa vez: “Encontro na Bíblia mais indícios indisputáveis de autenticidade do que em qualquer história profana.” (Two Apologies [Duas Apologias], de R. Watson, Londres, 1820, p. 57) Sua integridade para com a verdade mostra-se sólida em qualquer ponto que possa ser testada. Sua história é exata e se pode confiar nela. Por exemplo, o que ela diz sobre a queda de Babilônia diante dos medos e dos persas não pode ser refutado com êxito (Je 51:11, 12, 28; Da 5:28), tampouco o pode o que ela diz sobre pessoas tais como o babilônio Nabucodonosor (Je 27:20; Da 1:1); o egípcio Rei Sisaque (1Rs 14:25; 2Cr 12:2); os assírios Tiglate-Pileser III e Senaqueribe (2Rs 15:29; 16:7; 18:13); os imperadores romanos Augusto, Tibério e Cláudio (Lu 2:1; 3:1; At 18:2); romanos tais como Pilatos, Félix e Festo (At 4:27; 23:26; 24:27), nem o que ela diz sobre o templo de Ártemis, em Éfeso, e sobre o Areópago, em Atenas (At 19:35; 17:19-34). O que a Bíblia diz sobre estes e outros lugares, pessoas ou eventos é historicamente exato em todos os pormenores. 
No que se refere à exatidão científica, a Bíblia não fica para trás. Quer descreva a ordem progressiva da preparação da terra para ser habitada por humanos (Gên 1:1-31), fale da terra como sendo esférica e suspensa sobre o “nada” (Jó 26:7; Is 40:22), classifique a lebre como ruminante (Le 11:6), quer declare que “a alma da carne está no sangue” (Le 17:11-14), a Bíblia é cientificamente correta.
Mesmo quanto à preservação dela. Aliás, este aspecto talvez seja o mais importante ao ser posto à prova. Isto porquê se houvesse alguma alteração significativa na Bíblia ao longo dos séculos, todo seu valor poderia ser logo questionado. Mas, o que os fatos mostram?
Atualmente, não se sabe da existência de nenhum dos escritos originais das Escrituras Sagradas. Jeová, porém, cuidou de que se fizessem cópias para substituir os originais envelhecidos. Também, a partir do exílio babilônico, e depois, com o aumento de muitas comunidades judaicas fora da Palestina, houve crescente demanda de cópias das Escrituras. Esta demanda foi satisfeita por copistas profissionais, que fizeram esforços extraordinários para atingir exatidão nos seus manuscritos. Esdras era exatamente tal homem, “copista destro da lei de Moisés, dada por Jeová, o Deus de Israel”. — Esd 7:6.
Durante centenas de anos continuaram a ser feitas cópias a mão das Escrituras, período em que a Bíblia foi ampliada com a adição das Escrituras Gregas Cristãs. Também apareceram em outras línguas traduções ou versões desses Escritos Sagrados. De fato, as Escrituras Hebraicas têm a honra de ser o primeiro livro de destaque traduzido para outra língua. Existem hoje milhares de tais manuscritos e versões da Bíblia.
A primeira Bíblia impressa, a Bíblia de Gutenberg, saiu do prelo em 1456. Atualmente, a distribuição da Bíblia (inteira ou em partes) já atingiu mais de dois bilhões de exemplares em mais de 1.800 línguas. Mas isto não foi conseguido sem grande oposição de muitos lados. De fato, a Bíblia tem tido mais inimigos do que qualquer outro livro; papas e concílios até mesmo proibiram a leitura da Bíblia sob pena de excomunhão. Milhares de amantes da Bíblia perderam a vida, e milhares de exemplares da Bíblia foram entregues às chamas. Uma das vítimas na luta da Bíblia para sobreviver foi o tradutor William Tyndale, que certa vez declarou num debate com um clérigo: “Se Deus me poupar a vida, farei com que, antes de se passarem muitos anos, o rapaz que maneja o arado saiba mais sobre as Escrituras do que tu sabes.” — Actes and Monuments (Atos e Monumentos), de John Foxe, Londres, 1563, p. 514.
O apreço pela fidedignidade da Bíblia aumenta grandemente quando se percebe, em comparação, que há apenas muito poucos manuscritos existentes das obras dos escritores clássicos seculares e que nenhum destes é manuscrito original, autógrafo. Embora sejam apenas cópias feitas séculos depois da morte dos autores, os peritos atuais aceitam essas cópias posteriores como evidência suficiente da autenticidade do texto.
Os existentes manuscritos hebraicos das Escrituras foram feitos com muito cuidado. A respeito do texto das Escrituras Hebraicas, o perito W. H. Green observou: “Pode-se dizer com segurança que nenhuma outra obra da antiguidade foi transmitida com tanta exatidão.” (Archaeology and Bible History [A Arqueologia e a História Bíblica], de J. P. Free, 1964, p. 5) O falecido perito em textos bíblicos, Sir Frederic Kenyon, fez a seguinte declaração tranqüilizadora na introdução dos seus sete volumes intitulados The Chester Beatty Biblical Papyri (Os Papiros Bíblicos Chester Beatty): “A primeira e a mais importante conclusão a que se chega à base do exame deles [os Papiros] é a satisfatória de que confirmam a exatidão essencial dos textos existentes. Não aparece nenhuma variação substancial ou fundamental, quer no Velho, quer no Novo Testamento. Não há nenhumas omissões ou adições importantes de trechos, nem variações que influam em fatos ou doutrinas vitais. As variações do texto influem em questões menores, tais como a ordem das palavras ou as palavras precisas usadas. . . . Mas a sua importância essencial é sua confirmação da integridade de nossos textos existentes, pela evidência duma data anterior à disponível até agora. Neste respeito, são uma adquisição de valor que marca época.” — Londres, 1933, Fascículo I, p. 15.
Sir Frederic Kenyon declarou a respeito das Escrituras Gregas Cristãs: “O intervalo, então, entre as datas da composição original e a mais antiga evidência existente se torna tão pequeno que é, com efeito, insignificante, e a última base para qualquer dúvida de que as Escrituras chegaram até nós substancialmente como foram escritas foi agora removida. Tanto a autenticidade como a integridade geral dos livros do Novo Testamento podem ser consideradas como finalmente confirmadas.” — The Bible and Archæology (A Bíblia e a Arqueologia), 1940, pp. 288, 289.

Há séculos, Jesus Cristo, “a testemunha fiel e verdadeira” (Re 3:14), confirmou repetida e enfaticamente a genuinidade das Escrituras Hebraicas, assim como fizeram seus apóstolos. (Lu 24:27, 44; Ro 15:4) Versões e traduções antigas existentes confirmam adicionalmente a exatidão das Escrituras Hebraicas preservadas. Manuscritos e versões das Escrituras Gregas Cristãs dão incontestável testemunho da maravilhosa preservação e transmissão exata desta parte da Palavra de Deus. Portanto, somos agora favorecidos com um texto bíblico autêntico, inteiramente confiável. O meticuloso exame dos manuscritos preservados das Escrituras Sagradas dá eloqüente testemunho da sua fiel preservação e permanência, dando um significado adicional à declaração inspirada: “Secou-se a erva verde, murchou a flor; mas, quanto à palavra de nosso Deus, ela durará por tempo indefinido.” — Is 40:8; 1Pe 1:24, 25.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário